segunda-feira, 15 de agosto de 2011

A colheita do saci


Joaquim Ribeiro

No tempo das colheitas, já meu pai dizia: Aparecem, às vezes, pés de café sem grãos. Não é praga da planta, não. As cerejas foram colhidas à mão. O pé só fica com as folhas.

Sabem que colheu? O saci.

O saci só colhe de noite. E faz o trabalho num átimo. Lá numa fazenda da Mantiqueira, o diabo do saci colheu, de um dia para outro, todas as cerejas de um cafezal, deixando o fazendeiro na mais negra miséria.

Sabem por quê?

Não deixaram um pé de café para o saci, na safra anterior.

Em toda colheita, não se deve esquecer de deixar um pé de café para o negrinho de um pé só e de carapuça vermelha.

Quem se esquecer, está arriscado a perder todo o seu cafezal.

 
Observação: Esta história se prende ao "ciclo do saci".

(Ribeiro, Joaquim. Os brasileiros. Rio de Janeiro, Palas; Brasília, Instituto Nacional do Livro, 1977, p.279)

Nenhum comentário: