segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Cachorro Velho


Uma velha senhora foi para um safari na África e levou seu velho vira-lata com ela.
Um dia, caçando borboletas, o velho cão, de repente, deu-se conta de que estava perdido.
Vagando a esmo, procurando o caminho de volta, o velho cão percebe que um jovem leopardo o viu e caminha em sua direção, com intenção de conseguir um bom almoço ...
O cachorro velho pensa:
-Oh, oh! Estou mesmo enrascado ! Olhou à volta e viu ossos espalhados no chão por perto. Em vez de apavorar-se mais ainda, o velho cão ajeita-se junto ao osso mais próximo, e começa a roê-lo, dando as costas ao predador ...
Quando o leopardo estava a ponto de dar o bote, o velho cachorro exclama bem alto: -Cara, este leopardo estava delicioso ! Será que há outros por aí ?
Ouvindo isso, o jovem leopardo, com um arrepio de terror, suspende seu ataque, já quase começado, e se esgueira na direção das árvores.
-Caramba! pensa o leopardo, essa foi por pouco ! O velho vira-lata quase me pega!
Um macaco, numa árvore ali perto, viu toda a cena e logo imaginou como fazer bom uso do que vira: em troca de proteção para si, informaria ao predador que o vira-lata não havia comido leopardo algum.. .
E assim foi, rápido, em direção ao leopardo. Mas o velho cachorro o vê correndo na direção do predador em grande velocidade, e pensa :
-Aí tem coisa!
O macaco logo alcança o felino, cochicha-lhe o que interessa e faz um acordo com o leopardo.
O jovem leopardo fica furioso por ter sido feito de bobo, e diz: -"Aí, macaco! Suba nas minhas costas para você ver o que acontece com aquele cachorro abusado!"
Agora, o velho cachorro vê um leopardo furioso, vindo em sua direção, com um macaco nas costas, e pensa:
-E agora, o que é que eu posso fazer?
Mas, em vez de correr (sabe que suas pernas doídas não o levariam longe...) o cachorro senta, mais uma vez dando costas aos agressores, e fazendo de conta que ainda não os viu, e quando estavam perto o bastante para ouvi-lo, o velho cão diz :
-"Cadê o tranqueira daquele macaco? Tô morrendo de fome! Ele disse que ia trazer outro leopardo para mim e  não chega nunca!"

Moral da história: não mexa com cachorro velho... idade e habilidade se sobrepõem à juventude e intriga.
Sabedoria só vem com idade e experiência. 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Um Pouquinho de Céu



Gostaria de comprar um perfume,
Nada chique, algo simples —
Pensei numa fragrância…
Do cheirinho de chuva caindo nas ruas;
Ou talvez o cheirinho
De um bebê saído do banho;
Ou o aroma forte e dominante
De folhinhas de hortelã amassadas;
Sabe aquele cheiro delicioso
Do pão assado em casa?
Ou a fragrância esplendorosa
De lençóis limpos na cama?
E que tal o cheirinho de um bife
Na chapa e acebolado,
Ou o aroma delicado
Das flores na Primavera.
Talvez o aroma do mar
Num dia ventoso de inverno
Ou a fragrância mais sedutora
De uma chuva caindo no mato —
Eu gostaria de comprar um perfume
Qualquer fragrância simples serve —
Só um pouquinho do Céu,
Composto pelos elementos da terra.

—Helen Marshall

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Era uma vez...

SÉRGIO CAPARELLI

Era uma vez
Um gato cotó
Fez cocô procê só


E o gato zarolho
Veio depois
Fez procês dois

Tinha também 
Um gato xadrêz
Fez cocô procês três

O gato seguinte
Usava sapato:
Fez cocô procês quatro

Quem não conhece 
O gato jacinto 
Fez cocô procês cinco

Do gato azarado
Chegou a vez
Fez cocô procês seis

Ah! Que beleza
O gato coquete
Fez cocô procês sete

Bom dia, banoite!
E o gato maroto
Fez cocô procês oito

E o gato zebrado
também resolve
fez cocô procês nove

Vixe! Vem chegando 
O gato Raimundo
Traz cocô pra todo mundo.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

O Macaco e o Rabo (2)



Uma ocasião achavam-se na beira da estrada um macaco e uma cotia e vinha passando na mesma estrada um carro de bois cantando. O macaco disse para a cotia:

— Tira o teu rabo da estrada, senão o carro passa e corta.

Embebido nesta conversa, não reparou o macaco que ele é que corria o maior risco, e veio o carro e passou em riba do rabo dele e cortou. Estava um gato escondido dentro de uma moita, saltou no pedaço do rabo do macaco e correu. Correu também o macaco atrás, pedindo o seu pedaço de rabo. O gato disse:

— Só te dou, se me deres leite.

— Onde tiro leite? — disse o macaco.

Respondeu o gato:

— Pede à vaca.

O macaco foi à vaca e disse:

— Vaca, dá-me leite para dar ao gato, para o gato dar-me o meu rabo.

— Não dou; só se me deres capim. — disse a vaca.

— Donde tiro capim?

— Pede à velha.

— Velha, dá-me capim, para eu dar à vaca, para a vaca dar-me leite, o leite para o gato me dar o meu rabo.

— Não dou; só se me deres uns sapatos.

— Donde tiro sapatos?

— Pede ao sapateiro.

— Sapateiro, dá-me sapatos, para eu dar à velha, para a velha me dar capim, para eu dar à vaca, para a vaca me dar leite, para eu dar ao gato, para o gato me dar o meu rabo.

— Não dou; só se me deres cerda.

— Donde tiro cerda?

— Pede ao porco.

— Porco, dá-me cerda, para eu dar ao sapateiro, para me dar sapatos, para eu dar à velha, para me dar capim, para eu dar à vaca, para me dar leite, para eu dar ao gato, para me dar o meu rabo.

— Não dou; só se me deres chuva.

— Donde tiro chuva?

— Pede às nuvens.

— Nuvens, dai-me chuva, para o porco, para dar-me cerda para o sapateiro, para dar-me sapatos para dar à velha, para me dar capim para dar à vaca, para dar-me leite para dar ao gato, para dar meu rabo…

— Não dou; só se me deres fogo.

— Donde tiro fogo?

— Pede às pedras.

— Pedras, dai-me fogo, para as nuvens, para a chuva para o porco, para cerda para o sapateiro, para sapatos para a velha, para capim para a vaca, para leite para o gato, para me dar meu rabo.

— Não dou; só se me deres rios.

— Donde tiro rios?

— Pede às fontes

— Fontes, dai-me rios, os rios ser para as pedras, as pedras me dar fogo, o fogo ser para as nuvens, as nuvens me dar chuvas, as chuvas ser para o porco, o porco me dar cerda, a cerda ser para o sapateiro, o sapateiro fazer os sapatos, os sapatos ser para a velha, a velha me dar capim, o capim ser para a vaca, a vaca me dar o leite, o leite ser para o gato, o gato me dar meu rabo.

Alcançou o macaco todos os seus pedidos. O gato bebeu o leite, entregou o rabo. O macaco não quis mais, porque o rabo estava podre.

Colhido por Sílvio Romero, em Pernambuco.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

O Rato Roeu...


O rato roeu a roupa do rei de Roma,
que irritava o rato com um ronco bem rouco.
Em Roma reinava um rei roncador.

O rato com raiva do ronco rouco do rei
resolveu roer a roupa real.
roc roc que roc fez o roedor

A rainha arrumando a roupa
não reparou e não reparando
não remendou a roupa do rei que o rato roeu,

E o rei do reino de Roma de roupa rasgada
recebeu na rua só riso e risada
de quem reparou que a roupa se rompeu

E o rato se riu do rombo redondo
da roupa roída do rei.


Harry Guedes

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

O Mosquito Escreve



Cecília Meireles
O mosquito pernilongo
trança as pernas, faz um M,
depois treme, treme, treme,
faz um O bastante oblongo,
faz um S.

O mosquito sobe e desce.
Com artes que ninguém vê,
faz um Q,
faz um U, e faz um I.

Este mosquito esquisito
cruza as patas, faz um T.
E aí,
se arredonda e faz outro O,
mais bonito.

Oh!
Já não é analfabeto,
esse inseto,
pois sabe escrever seu nome.

Mas depois vai procurar
alguém que possa picar,
pois escrever cansa,
não é, criança?

E ele está com muita fome.

Ou isto ou aquilo, Cecília Meireles, Rio de Janeiro, Nova Fronteira: 2002.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

O macaco e o rabo (01)


Um macaco uma vez pensou em fazer fortuna. Para isso foi-se colocar por onde tinha de passar um carreiro com seu carro. O macaco estendeu o rabo pela estrada por onde deviam passar as rodeiras do carro. O carreiro, vendo isso, disse:

— Macaco, tira teu rabo do caminho, eu quero passar.
 

— Não tiro, — respondeu o macaco.

O carreiro tangeu os bois, e o carro passou por cima do rabo do macaco, e cortou-o fora. O macaco, então, fez um barulho muito grande:

— Eu quero meu rabo, ou então dê-me uma navalha…

O carreiro lhe deu uma navalha, e o macaco saiu muito alegre a gritar:
 

— Perdi meu rabo! Ganhei uma navalha!… Tinglin, tingilin, que vou para Angola!…

Seguiu. Chegando adiante, encontrou um negro velho, fazendo cestas e cortando os cipós com o dente.

O macaco:

— Oh, amigo velho, coitado de você! Ora, está cortando os cipós com o dente… tome esta navalha.

O negro aceitou, e quando foi partir um cipó, quebrou-se a navalha. O macaco abriu a boca no mundo e pôs-se a gritar:

— Eu quero minha navalha, ou então me dê um cesto!

O negro velho lhe deu um cesto e ele saiu muito contente gritando:

— Perdi meu rabo, ganhei uma navalha, perdi minha navalha, ganhei um cesto… Tinglin, tinglin, que vou pra Angola!

Seguiu. Chegando adiante, encontrou uma mulher fazendo pão e botando na saia.
 

— Ora, minha sinhá, fazendo pão e botando na saia! Aqui está um cesto.

A mulher aceitou, e, quando foi botando os pães dentro, caiu o fundo do cesto. O macaco abriu a boca no mundo e pôs-se a gritar:

— Eu quero o meu cesto, quero o meu cesto, senão me dê um pão!

A mulher deu-lhe o pão, e ele saiu muito contente a dizer:

— Perdi meu rabo, ganhei uma navalha, perdi minha navalha, ganhei um cesto, perdi meu cesto, ganhei um pão… Tinglin, tinglin, que vou pra Angola!

E foi comendo o pão.

Colhido por Sílvio Romero, em Sergipe.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Dia de Reis

Já chegaram a Belém,
Visitar Deus Menino,
Que Nossa Senhora tem.
Os três reis do Oriente,
Tiveram um sonho profundo,
Que nasceu o Deus Menino,
Qu'e o Salvador do Mundo.

Os três reis do Oriente,
Seguiram o seu destino,
Guiados por uma estrela,
Adorar o Deus Menino.

A cabana era pequena,
Não cabiam todos três,
Adoraram o Deus Menino,
Cada um de sua vez.

Nasceu alegria,
Não pode haver mais,
Já nasceu Jesus,
Bendito sejais, bendito sejais.

Ó da casa, nobre gente,
Senhores desta morada,
Escutai e ouvireis,
Esta nobre embaixada.

Quem diremos nós que viva,
Por cima da salsa crua,
Viva lá o menino,
Que é o mais lindo da rua.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

A Menina que caiu no Livro


(Mauro Brandão)

A menina lia um livro.
E de tanto ler, a menina caiu no livro.
E quando a menina caiu, rolou indefinidamente nas páginas.
E quando rolou nas páginas, tropeçou nas palavras.

E em cada palavra que tropeçava, acendia uma luz mágica,
e em cada luz que acendia, iluminava um mundo,
e em cada mundo iluminado, surgia um novo mundo,
e em cada mundo surgido, brotava-se um sonho.

Em cada sonho brotado, floria uma realidade,
e em cada realidade florida, frutificava uma canção,
e em cada canção frutificada, germinava outro grão,
e em cada grão germinado, sorria uma vida.

E em cada vida que sorria, chorava uma mulher,
e cada mulher que chorava, explodia uma paixão,
e em cada paixão explodida, esfarelava-se uma bomba,
e em cada bomba esfarelada, destituía-se um déspota.

Em cada déspota destituído, brilhava uma nova esperança.
Em cada esperança que brilhava, raiava um novo sol.
E em cada sol que raiava, prateava-se uma nova lua,

e em cada lua que prateava-se, uma menina lia um livro...

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Porque o Pinheiro é a árvore de Natal


(Lenda folclórica)

Quando o Menino Jesus nasceu, todas as pessoas ficaram alegres. Crianças, homens e mulheres, pobres e ricos vinham vê-lo trazendo presentes.Os animais e plantas também estavam felizes com o nascimento de Jesus.

Perto do estábulo onde dormia o Menino Jesus em um berço de palha, havia três árvores - uma palmeira, uma oliveira e um pinheiro, que viam aquela gente que ia e vinha passando embaixo de seus galhos.

Os reis traziam coisas preciosas. Os pastores traziam frutas e lã de seus carneiros. Um pequeno pastorzinho trouxe um carneirinho bem branco. As três árvores quiseram também dar alguma coisa ao Menino Jesus.

"Eu darei a minha palma maior, a mais bela, para que a Mãe abane docemente o bebê", - disse a palmeira. A oliveira que estava carregada de frutos - as azeitonas- completou : - "E eu oferecerei meus frutos e meu azeite para a Criancinha"!

" E eu? Que posso dar?" - perguntou o pinheiro. - "Você" - responderam as outras. - "Você não tem nada para dar. Suas agulhas pontudas poderiam picar o Menino Jesus." O pobre pinheirinho sentiu-se muito infeliz e respondeu tristemente! - "É mesmo, vocês têm razão, não tenho nada para oferecer. Todos trouxeram presentes para esta Criança: os pastores - lã, leite e até um pequeno carneirinho ! Os reis - ouro , incenso e mirra! Até a palmeira e a oliveira puderam oferecer algo de si, só eu não tenho como alegrar a Criancinha."

Um anjo, que estava ali perto, escutou a conversa e teve pena do pinheiro tão humilde, tão triste que nada podia fazer. Ele disse ao pinheiro: - "Não fique triste enquanto todo mundo está alegre. Vamos ajudar você!"

Lá no céu as estrelinhas começaram a brilhar. O lindo anjinho olhou para o alto e chamou-as. No mesmo instante elas desceram e foram pousando delicadamente nos ramos verdes do modesto pinheirinho que foi se iluminando e ficando cada vez mais bonito.

Todos se admiraram, e se voltaram para ele. 
Lá da manjedoura, dentro do estábulo, os olhinhos do Menino Jesus de encheram de brilho e alegria ao ver aquela árvore tão linda.

E foi assim que o singelo pinheiro se tornou a árvore do Natal, e é por isso que as pessoas, até hoje, enfeitam suas casa com luzes, estrelas e o pinheiro na véspera do Natal.